VIII ASSEMBLEIA GERAL DA HUTURARA 2016

  • Home
  • Notícias
  • Reserva amazônica Yanomami invadida por 20 mil mineiros; Bolsonaro não intervém

Reserva amazônica Yanomami invadida por 20 mil mineiros; Bolsonaro não intervém

Series de Mongabay: Infraestrutura na Amazônia

 

mongabay

  • Estima-se que 20.000 garimpeiros ilegais entraram no Parque Yanomami, uma das maiores reservas indígenas do Brasil, localizada nos estados de Roraima e Amazonas, perto da fronteira com a Venezuela.
  • Os mineiros são bem financiados, provavelmente por empresários que pagam os trabalhadores e fornecem equipamentos de terraplenagem, suprimentos e aviões. Três faixas de ar ilegais e três minas de ouro a céu aberto estão em operação no território indígena Yanomami.
  • Líderes indígenas culpam o presidente Bolsonaro, com sua linguagem anti-indígena incendiária, e sua administração, com suas políticas que privaram de fundos e destruíram as agências responsáveis pela aplicação da lei na Amazônia.
  • Bolsonaro afirma que os indígenas querem a mineração e o agronegócio industrial em suas terras, mas os Yanomami negam veementemente tais desejos. Eles dizem que querem autodeterminação sobre os tipos de negócios em suas terras. Um desses negócios novos e sustentáveis é uma concessão de chocolate que preservaria a floresta tropical e ofereceria renda.

isa1

Terreno dentro do Parque Yanomami com desmatamento da floresta tropical e ocupado pelos garimpeiros, mineiros ilegais. Imagem cortesia do ISA.

Milhares de garimpeiros invadiram ilegalmente o Parque Yanomami, um dos maiores territórios indígenas do Brasil, demarcado oficialmente pelo governo brasileiro em 1992, cobrindo 96.650 quilômetros quadrados de floresta tropical nos estados de Roraima e Amazonas, perto da fronteira com a Venezuela.

Há muitos anos não ocorre uma invasão dessa escala, o que traz de volta lembranças de um período terrível no final dos anos 80 entre os indígenas mais idosos, quando aproximadamente 40.000 garimpeiros se mudaram para as terras e cerca de um quinto da população indígena morreu em apenas sete anos devido à violência, malária, desnutrição, envenenamento por mercúrio e outras causas.

Davi Kopenawa, um líder Yanomami, estima que cerca de 20.000 mineiros estão em terras indígenas. Embora a percepção pública de tais operações seja de que elas são artesanais ou de pequena escala, elas são operações tipicamente sofisticadas. A safra atual de mineradores provavelmente é subordinada, bem financiada e apoiada por empreendedores bem-sucedidos que pagam os mineiros ou dão uma parcela da produção, ao mesmo tempo que fornecem aos trabalhadores máquinas de terraplenagem, dragas e outros equipamentos pesados arrendados, junto com aviões para levar suprimentos e retirar o ouro das terras.

Os mineiros estão poluindo os rios da reserva com mercúrio e iodo, erodindo as margens do rio, cortando a floresta, espantando os animais que os índios caçam e destruindo a pesca, enquanto incitam as mulheres indígenas à prostituição. Os rios Mucajaí e Uraricoera ficaram tão poluídos que as pessoas que vivem em Boa Vista, capital do estado de Roraima, a 570 quilômetros a jusante, reclamaram da deterioração da qualidade da água em seu rio, o rio Branco, que é formado pela confluência desses dois afluentes.

2-ya
Pintura facial tradicional dos Yanomami. Os Yanomami foram dizimados por uma invasão de mineração anterior no final dos anos 80, quando muitos morreram. Os mais idosos temem que essa nova invasão tenha impactos devastadores semelhantes. Foto por Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil.

“Eles estão apenas trazendo problemas. A malária está aumentando. Já matou quatro crianças na região de Marari”, informou Kopenawa. A malária é transmitida por mosquitos e a mineração cria grandes poças de água estagnadas, perfeitas para a reprodução dos insetos.

Os povos indígenas isolados, por vezes sem qualquer contato, também são ameaçados com impactos devastadores em potencial, já que os mineiros podem infectá-los com doenças ocidentais para as quais eles não têm resistência, e que muitas vezes são fatais. Três pistas de pouso ilegais e três minas a céu aberto cortaram a floresta onde grupos indígenas isolados foram vistos.

“Há muitos índios isolados. Eu não os conheci, mas sei que estão sofrendo”, disse Kopenawa. “Quero ajudar meus parentes. É muito importante que eles não sejam molestados para viver em suas terras”.

Júlio Ye’kuhana, da Associação Seduume e um representante dos Ye’kwana, um grupo indígena menor que mora ao lado dos Yanomami, contou como um dos líderes indígenas pediu aos mineiros que saíssem. Mas, disse Ye’kuhana, os invasores responderam com raiva: “Eles vêm fazendo ameaças violentas contra ele desde então. Então agora, sua comunidade está mantendo a cabeça baixa. Os mineiros estão todos armados com pistolas e espingardas”.
Júlio Ye’kuhana, da Associação Seduume e um representante dos Ye’kwana, um grupo indígena menor que mora ao lado dos Yanomami, contou como um dos líderes indígenas pediu aos mineiros que saíssem. Mas, disse Ye’kuhana, os invasores responderam com raiva: “Eles vêm fazendo ameaças violentas contra ele desde então. Então agora, sua comunidade está mantendo a cabeça baixa. Os mineiros estão todos armados com pistolas e espingardas”.


Quando o exército parte, entram os mineiros

Até pouco tempo, o exército brasileiro possuía duas bases de monitoramento ao longo dos maiores rios do Parque, o Mucajaí e o Uraricoera, ambos utilizados pelos mineiros como rotas de entrada. Embora os Yanomami se queixassem de que o exército não fazia o suficiente para manter os mineradores afastados, a própria existência dessas bases dissuadia alguns invasores. Mas no final do ano passado, o exército fechou tais bases, alegando que seus recursos estavam sobrecarregados por dezenas de milhares de refugiados movendo-se em torrentes da Venezuela para o Brasil.

Com a saída do exército, os mineiros se aproveitaram, enxameando, sem qualquer obstáculo, o Parque Yanomami.

Possivelmente encorajados pelas políticas anti-indígenas de Jair Bolsonaro e pelas principais reduções orçamentárias da administração para as operações de aplicação da lei na Amazônia, os mineiros até ousaram a montar uma aldeia dentro do Parque em uma região chamada Tatuzão do Mutum.

Os Yanomami acreditam que, mesmo antes de sua eleição, Bolsonaro encorajou a invasão falando sobre a experiência de seu pai como garimpeiro e dizendo, por repetidas vezes, que os grupos indígenas tinham terras demais. Então, em 17 de abril, em uma transmissão ao vivo pelo Facebook, o presidente, acompanhado por alguns índios Yanomami, anunciou que a mineração em grande escala e a monocultura extensiva, ou seja, o agronegócio industrial, deveriam ser permitidos em território indígena, incluindo o Parque Yanomami.

“Os índios não devem continuar sendo pobres vivendo em cima da terra rica. Em Roraima, existem trilhões de reais sob suas terras [em forma de riqueza mineral]”, comentou Bolsonaro.

3-yo
Os Yanomami respondem em oposição às políticas indígenas do governo Bolsonaro. Imagem cortesia do ISA.

A liderança Yanomami, claramente alarmada com a declaração do presidente, reagiu de imediato. No dia 18 de abril, um grupo de líderes Yanomami publicou um vídeo em que afirmavam veementemente, tanto em Yanomami quanto em português, que os Yanomami que haviam aparecido ao lado de Bolsonaro não eram representantes de nenhuma comunidade dentro de sua reserva e não tinham autoridade para falar por eles.

Um após o outro, os líderes declararam sua total oposição à mineração ou à agricultura comercial em suas terras. “Você [Bolsonaro] diz que estamos passando fome”, expressou Kopenawa, “mas é mentira, nenhum de nós, Yanomami, está passando fome”.

“O ouro deve permanecer sob o solo”, declarou Roberval, membro da Ayrca, Maturacá Terra Yanomami, uma organização indígena. “Queremos uma renda melhor, mas com nossos próprios projetos”. Os líderes enviaram uma carta a Bolsonaro expressando indignação.

 

4-yo
César de Mendes, um fabricante em pequena escala especializado em chocolates da Amazônia, ajuda os Yanomami a torrar sementes de cacau no processo de fabricação de chocolate. Imagem cortesia do ISA.
A doce promessa de ajuda

Embora o governo não tenha respondido a essa carta, a agência indígena federal, a FUNAI, informou que reabrirá as bases em território Yanomami fechadas por causa de cortes orçamentários. Isso foi declarado em maio: “Uma das bases será reaberta daqui a três meses e, até 2020, todas voltarão a funcionar, empregando índios e funcionários da FUNAI e colaborando com funcionários de outras instituições do Estado”.

Mas as comunidades indígenas não ficaram paradas esperando a ajuda do governo. Implantaram uma iniciativa econômica inovadora recente: a fabricação de chocolate. O empreendimento começou em uma aldeia indígena localizada a poucos quilômetros do Tatuzão do Mutum, a chamada mina a céu aberto criada por cerca de mil mineiros se assemelha à concha de um tatuzão, um tatu gigante.

Alguns líderes Ye’kwana perceberam que a floresta em pé oferecia outra forma de “ouro”, o cacau. Embora o cacau seja endêmico para a região, os povos indígenas tradicionalmente consomem a carne doce nas grandes cascas de cacau laranja e jogam fora as sementes, das quais o chocolate é feito. Assim que souberam do potencial de mercado do chocolate de alta qualidade, começaram a desenvolver sua própria marca deliciosa.

Em julho de 2018, os líderes Ye’kwana e Yanomami organizaram um workshop envolvendo uma comunidade Ye’kwana e 13 Yanomami. Com o apoio da ONG Instituto Socioambiental (ISA), trouxeram fabricantes de chocolate para orientar sobre a melhor forma de coletar as sementes, processá-las e fazer chocolate. Um dos visitantes foi César de Mendes, um fabricante de pequena escala especializado em chocolates da Amazônia. Ele ficou encantado ao descobrir duas variedades de cacau no Parque, uma delas era completamente nova para ele. Ele acredita que os índios poderão lançar uma nova marca, com um sabor próprio e distinto. No final do workshop de 10 dias, os participantes indígenas produziram sua primeira barra de chocolate e celebraram com uma festa triunfante entre as comunidades. Espera-se que a produção regular comece este ano.

A renda adicional que o chocolate de alta qualidade oferece será muito bem-vinda nas aldeias indígenas. Como os mineiros contaminaram os rios locais, muitas pessoas estão sendo forçadas a desenvolver poços artesianos, cuja construção pode ser bem cara. Além disso, os jovens indígenas estão ansiosos para comprar telefones celulares e aviões de instrução, então são atraídos pelo dinheiro oferecido pelos mineiros. Por essas e outras razões, a fabricação de chocolate pode ser uma tábua de salvação para as comunidades indígenas, ao mesmo tempo em que oferece aos consumidores em todo o Brasil e em outros lugares a chance de comprar um produto delicioso que ajuda a conservar a floresta amazônica.

Mas a ameaça de invadir as operações de mineração ainda se aproxima e, se não for cerceada pela aplicação da lei, continuará sendo uma sombra escura sobre as terras e esperanças dos Yanomami.

FEEDBACK: Use este formulário para enviar uma mensagem ao autor desta publicação. Caso queira publicar um comentário público, é possível fazê-lo na parte inferior da página.
A primeira barra de chocolate produzida pelos Yanomami. O grupo indígena vê barras de chocolate, e não barras de ouro, como uma forma de alcançar a sustentabilidade econômica sem destruir a floresta tropical. Imagem cortesia do ISA.