Imprimir
PDF

NOTA DA HUTUKARA SOBRE A SITUAÇÃO DO ATENDIMENTO DE SAÚDE AOS YANOMAMI

Escrito por admin on .

26 de março de 2015

Nota da HAY doc

A Hutukara Associação Yanomami vem em nota informar que a saúde é um tema prioritário em suas atividades e entende que para a situação de saúde na Terra Indígena Yanomami melhorar deve-se mudar a forma de atuação do Distrito Sanitário Yanomami, garantindo a sua autonomia administrativa e financeira, a capacitação do controle social, a qualificação dos recursos humanos disponíveis, especialmente do Agente Indígena de Saúde.

Deve-se, também, equipar melhor os postos de saúde localizados na T.I. Yanomami para oferecer condições adequadas á realização do atendimento primário, diminuindo assim o número de remoções para a Casa do Índio em Boa Vista.

Imprimir
PDF

Leão Serva - Folha de SP: Morte sistemática de Ianomâmis é um tabu

Escrito por admin on .

Leia o pdf

23/02/2015 02h00 A Folha publicou com grande destaque na edição de domingo (22) a notícia do lançamento do livro "Nobres Selvagens" (pela Três Estrelas, selo do Grupo Folha), de autoria do antropólogo norte-americano Napoleon Chagnon. Títulos na capa e no caderno da Ilustríssima chamaram a obra de "livro tabu". Trata-se de um exagero baseado no discurso persecutório do autor, que sempre responde às críticas a seu trabalho com alegações de perseguição pessoal ou boicote.

Uma pesquisa no Google News apresenta 872 respostas com notícias sobre o antropólogo e 64 referências ao livro, incluindo veículos de grande prestígio internacional como "The New York Times" e "Washington Post". No Brasil, certamente a obra não foi tema de reportagens simplesmente porque não havia sido lançada. Na edição, textos de Marcelo Leite e André Strauss compilam as principais fragilidades apontadas pelos críticos da obra de Chagnon.

Imprimir
PDF

Instalação da radiofonia no Aldeia Serrinha região do Ajarani.

Escrito por admin on .

Radiofonia instalada na Aldeia Serrinha região do Ajaranii - Terra Indígena Yanomami

Doação Claudia Andujar e Galeria Vermelho

Imprimir
PDF

Jornal da Hutukara - Encontro das Mulheres Yanomami 2014

Escrito por admin on .

2014jhut_

Leia: HUTUKARA E THËÃ (pdf)

Hutukara urihi noamatima wãha Numero 15- Dezembro de 2014      
Jornal sobre o encontro das mulheres Thuë thëpëã hereamuwi thëã oni

Imprimir
PDF

Polícia de RR prende 260 pessoas em garimpo ilegal em reserva Yanomami

Escrito por admin on .

FBV: Garimpeiros são levados à Federal

Dos 220 detidos na terra Yanomami, 80 chegaram à Capital na madrugada desta sexta-feira e, após depoimentos, foram liberados


De acordo com a Funai, na região, que deveria ser protegida, estão cerca de 800 garimpeiros trabalhando de forma ilegal.


jn
Assista no site do Jornal Nacional

A polícia de Roraima prendeu 260 pessoas que trabalhavam em um garimpo ilegal na reserva indígena Yanomami.


Do alto se vê a imensidão da floresta. E também uma ameaça à reserva com maior extensão de terra do país, onde vivem 25 mil índios. É o garimpo ilegal, que invadiu a cabeceira do Rio Uraricoera, um dos principais de Roraima.

Há cinco dias uma operação foi iniciada na área. Até agora 260 garimpeiros foram presos e vão responder pelos danos à natureza. As balsas retiravam ouro e deixavam na água uma mancha escura.

"Destruição. É derramamento de monte de gasolina, diesel, mercúrio. Principalmente no rio principal, onde a gente consome, onde a gente pratica os banhos", afirma Maurício Yekuana, vice-presidente Hutukara Associação Yanomami.

“A contaminação por metais pesados, principalmente o mercúrio que é muito utilizado no garimpo. Ele quando entra no nosso tecido adiposo, você tem várias doenças associadas a este tipo de elementos, que pode levar às vezes 10 ou 15 anos para se manifestar”, explica Vladimir Souza, geólogo.

Desde junho, as duas bases da Funai na área foram desativadas por falta de recursos, o que facilitou a extração ilegal. De acordo com a Funai, na região, que deveria ser protegida, estão cerca de 800 garimpeiros trabalhando de forma ilegal. Eles passam meses e até anos sem ser incomodados e retiram de lá mensalmente 80 quilos de ouro.

Imprimir
PDF

G1: Operação em área Yanomami prende 80 pessoas por garimpo, em Roraima

Escrito por admin on .

Atualização G1: Número de garimpeiros presos em área indígena de Roraima chega a 120

Pessoas presas são suspeitas de praticar garimpo na área indígena.
Operação ocorre na região de Waicais, a 300 quilômetros de Boa Vista.

Assista no site do G1

Mais de 80 pessoas foram presas nesta segunda-feira (1º) por prática de garimpo e prostituição na Terra Indígena Yanomami, no nordeste de Roraima. As detenções foram feitas na região de Waicais, a 300 quilômetros de Boa Vista, durante atividades da 'Korekorema II', operação de combate à permanência ilegal em área de reserva indígena iniciada na quinta-feira (27), após uma equipe da Fundação Nacional do Índio (Funai) constatar, durante sobrevoo, a prática de garimpo na localidade. Doze policiais militares atuam na operação apoiando a Funai (Veja vídeo acima)

Ao G1, o coordenador da Frente de Proteção Etnoambiental Yanomami e Ye'kuana (FPEYY), João Catalano, disse que com as pessoas detidas foram encontradas armas, drogas, canoas e motores. Na região de Wuaicais vivem cerca de 80 índios da etnia Yanomami.

"Os garimpeiros e as pessoas que estão com eles estavam vivendo ilegalmente na cabeceira do rio Uraricoera e cometendo vários crimes juntamente com a prática do garimpo. Além disso, os índios nativos da região estavam sendo feitos reféns por eles", alegou Catalano.


img_3162Cerca de 80 índios vivem na Comunidade de Waicas, a mais de 300 quilômetros de Boa Vista (Foto: Divulgação/ Funai)

Além das prisões, dez das 38 balsas usadas pelas aproximadamente 500 pessoas que vivem de forma ilegal na região já foram destruídas. Desta forma, segundo Catalano, a operação deve causar 'pelo menos R$ 4 milhões em prejuízo' aos financiadores do garimpo.

"Essas operações têm o objetivo de causar prejuízo, porque quando você 'mexe no bolso' do cidadão que investe no garimpo, ele tende a deixar a atividade econômica, que passa a ser inviável", pontuou.

Membros da Frente de Proteção Etnoambiental Yanomami e Ye'kuana, da Funai, Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai) e 12 homens da Polícia Militar participam da 'Korekorema II', que significia 'panela velha' na língua Yanomami.

Imprimir
PDF

Operação Krokorema II : Número de garimpeiros detidos chega a 80

Escrito por admin on .

No final de semana houve uma emboscada na região do Auaris, Terra Indígena Yanomami, quando um sargento PM foi baleado

FBV Amilcar junior
12/02/2014 12:10

krokorema1



Inúmeras balsas já foram destruídas em garimpos clandestinos na Terra Indígena Yanomami, no Amajari (Foto: Divulgação/Funai)

O comandante da Companhia Independente de Policiamento Ambiental (Cipa) da Polícia Militar, major Miguel Arcanjo, disse ontem que 80 garimpeiros já haviam sido detidos na região do Auaris, na Terra Indígena Yanomami, Município do Amajari, a 150 quilômetros da Capital pela BR-174, Noroeste de Roraima. A previsão é que os detidos cheguem a Boa Vista no final da tarde de hoje.

Na manhã de sábado, 29, os garimpeiros armaram uma emboscada e atiraram nos policiais. O sargento Ranildo Brandão, de 46 anos, foi alvejado nas costas no momento em que tentava tirar um tronco que obstruía a passagem na parte mais estreita do rio Uraricuera. A guarnição era formada por seis policiais, que acompanhavam três servidores da Fundação Nacional do Índio (Funai) na operação Krokorema II, desencadeada na quinta-feira passada, 27, pela Frente de Proteção Etnoambiental Yanomami e Yokuama.

O comandante afirmou que a maioria dos garimpeiros começou a sair de dentro da mata e a se entregar, mas outros estão fugindo de quadriciclo para a Venezuela. "Os policiais não estão perseguindo os garimpeiros, mas dando suporte aos servidores da Funai. Os garimpeiros estão se entregando porque não querem ficar lá, sozinhos, isolados no meio da mata", frisou.

Segundo o comandante, os garimpeiros estão sendo bem tratados e se alimentam com seus próprios mantimentos. Eles estão no acampamento e não há conflito algum com os policiais. Eles chegarão amanhã [hoje] à tarde e serão levados à Superintendência da Polícia Federal, onde responderão por seus crimes.

Imprimir
PDF

II Encontro Binacional Yanomami e Ye´kuana do Brasil e da Venezuela

Escrito por admin on .

convite_encontro_binacional

Programação II Encontro Binacional Yanomami e Ye´kuana - Brasil e Venezuela‏ (PDF)

Data: 28/10 a 02/11/2014
Local: Lago Caracaranã, Terra Indígena Raposa Serra do Sol.
Realização: Hutukara, ISA, Wataniba e Horonami
Apoio: Fundação Rainforest Noruega (RFN), CAFOD, Embaixada Real da Noruega em Brasília.

Na próxima semana estaremos recebendo os parentes da Venezuela. Mais de 80 lideranças discutindo sobre os desafios dos povos da floresta. Komi yamakini urihi yama a noamai!!!

Imprimir
PDF

Survival condena el retrato que el fotógrafo Jimmy Nelson ofrece de los pueblos indígenas

Escrito por admin on .

jimmy-nelson1-lscape_article_column2x
El director de Survival International critica el último trabajo del famoso fotógrafo Jimmy Nelson.
© Jimmy Nelson/teNeues

El trabajo del famoso fotógrafo Jimmy Nelson, creador del libro de gran formato Before they pass away (Antes de que desaparezcan), ha recibido las críticas del director de Survival International, Stephen Corry, por medio de un artículo publicado hoy en El Huffington Post donde condena la imagen falsa y perjudicial que presenta de los pueblos indígenas.

Nelson explica que su reciente libro de “retratos” de personas indígenas, a la venta por 128 €, surgió motivado por el deseo de “buscar las antiguas civilizaciones (…) y documentar su pureza en lugares donde todavía existen culturas inalteradas”. Las “culturas” que encuentra supuestamente han permanecido “sin cambios durante miles de años”.

Pero Corry califica este trabajo como una fantasía del fotógrafo que guarda muy poco parecido, tanto con la apariencia que estos pueblos presentan en la actualidad, como con la que alguna vez han tenido.

En las fotografías de niñas huaroanis de Ecuador, por ejemplo, a estas se las retrata desprovistas de la ropa con la que habitualmente viste esta tribu y llevando en su lugar hojas de higuera bajo las que ocultan sus partes íntimas, algo que nunca han hecho (generaciones previas de mujeres huaoranis únicamente llevaban una cuerda alrededor de su cintura). Corry expone que Nelson no solo presenta un retrato ficticio de los pueblos indígenas, sino que además pasa por alto la violencia genocida a la que están sometidas muchas de las tribus fotografiadas; e incluso va más allá y pretende que, por el mero hecho de retratarlos, estos pueblos indígenas pueden ser “salvados” de la “inevitabilidad” de la “desaparición”.
radiotower

Expansão da rede de comunicação dos Yanomami por radiofonia

O projeto tem como meta ampliar a rede de aldeias yanomami interligadas pela comunicação via radiofonia. Atualmente fazem parte desta rede 17 comunidades localizadas na Terra Indígena Yanomami mais a sede da HAY localizada em Boa Vista. A meta deste projeto é ampliar para 87 o número de comunidades, o que corresponde a 32% do total de comunidades yanomami no Brasil (257). Leia Mais ∴